28 julho 2015

Sistema educativo finlandês: um verdadeiro caso de sucesso

O sistema educativo na Finlândia está muito à frente do português. É muito mais informal, os alunos passam muito menos horas nas aulas e os exames só são relaizados no final do secundário, mas os resultados são em tudo muito superiores aos nossos. O jornal Expresso foi conhecer um pouco melhor o que se passa nas escolas finlandesas e é esse artigo que pode ser lido na integra aqui.


Deixo-vos apenas alguns excertos para suscitar a vossa curiosidade:


"A primeira tarefa do dia não é a mais óbvia. A ordem é para desarrumar a sala de aula, arrastar as carteiras para junto das paredes e dos armários e deixar espaço livre ao meio para que os alunos possam sentar-se ou deitar-se no chão, a escolha é deles, e escreverem em pequenas folhas de papel todas as palavras que associam ao mar. “Podia mandá-los um a um ao quadro, escrever e apontar, mas assim é mais dinâmico”, explica a professora do 3º ano. Dispostos em círculo, os 19 alunos, de meias ou apenas de crocs nos pés, vão escrevendo as palavras, para a seguir as agruparem em nomes, adjetivos, verbos. (...)
Na sala do 3º ano, há já alguns anos que o método é experimentado pela professora. Na altura de aprender o espaço e as medidas, os alunos trocaram os manuais e cadernos de exercícios por réguas e foram para fora medir o recreio. Traçaram marcas e lançaram frisbees e bolas para ver quem atirava mais longe. “É uma forma de combinar a Educação Física com a Matemática.” Às quintas-feiras cozinhavam cupcakes, aprendiam vocabulário novo e treinavam conversões, de quilos para gramas, de quartos de litro para mililitros.“É assim que se deve aprender, porque é assim na vida real”, defende a professora. (...)
A ideia é mudar a forma como se ensina, recorrendo à estrutura narrativa e aos mecanismos inerentes aos jogos: as aulas são transformadas em missões, os exercícios em desafios. “Primeiro contei-lhes a história da ilha em que estão presos. Depois vou lançando os desafios e para os superarem têm de trabalhar em conjunto, erguerem abrigos, por exemplo”, explica Tomi. A última ordem foi para construírem o maior número de formas geométricas que conhecessem, recorrendo aos blocos do Minecraft. A hora é de aprender Geometria. 

Com tanta experimentação e margem de manobra das autoridades locais e escolas (a educação está completamente municipalizada), sem exames e sem inspeções às escolas, surge a dúvida: quem controla a qualidade do sistema e que os alunos estão de facto a aprender? “Confiamos nos nossos professores, porque sabemos que estão altamente preparados. Não acreditamos que temos de fazer como os Estados Unidos em que estão sempre a medir os resultados”, responde Pasi."


Fonte: expresso.sapo.pt

21 julho 2015

Estudar música na adolescência estimula o cérebro

A música não estimula apenas o cérebro das crianças, é também benéfica na adolescência.

Segundo um estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences estudar música na adolescência estimula as zonas cerebrais relacionadas com a audição e a linguagem. Esta é a principal conclusão do estudo da Universidade Northwestern, coordenado por  Nina Kraus, e que vem agora refutar antigas teorias que apenas relacionavam os benefícios do estudo musical com as crianças até aos 10 anos.
O artigo completo pode ser lido aqui.

Fonte: noticiasaominuto.com

17 julho 2015

Chiado Editora na praia - Quando os livros vão à praia


Na sua página no Facebook a Chiado Editora informa que no próximo mês de Agosto, vai lançar a iniciativa "Chiado Editora na Praia". 

No âmbito da referida iniciativa a Editora vais instalar várias bibliotecas, nas praias de Portugal, para que todos possam folhear e ler alguns dos seus livros.
Esta é uma iniciativa que pretende unir o melhor de dois mundos: um excelente dia de praia, acompanhado por um bom momento de literatura!
Parece-me uma boa forma de divulgar as obras editadas pela Chiado Editora, por isso boas leituras!

P.S: Não encontrei referência ao nome das praias onde a iniciativa vai ter lugar...


Fonte: facebook.com/ChiadoEditora

16 julho 2015

Os melhores livros de todos os tempos, votados por 125 autores famosos

Veja se já leu alguns dos melhores livros de todos os tempos, de acordo com a votação de 125 autores famosos britânicoa e americanos.O desafio pode ser lido no livro The Top Ten: Writers Pick Their Favorite Books Foi pedido a 125 autores britânicos e americanos - como Norman MailerAnn Patchett,Jonathan FranzenClaire Messud, and Joyce Carol Oates  — que fornecessem uma lista ordenada do que consideravam ser os 10 melhores livros de ficção de todos os tempos. Deixo aqui alguns dos dados que resultaram deste projeto:


As 10 melhores obras do século 20
  1. Lolita by Vladimir Nabokov
  2. The Great Gatsby by F. Scott Fitzgerald
  3. In Search of Lost Time by Marcel Proust
  4. Ulysses* by James Joyce
  5. Dubliners* by James Joyce
  6. One Hundred Years of Solitude by Gabriel Garcia Marquez
  7. The Sound and the Fury by William Faulkner
  8. To The Lighthouse by Virginia Woolf
  9. The complete stories of Flannery O’Connor
  10. Pale Fire by Vladimir Nabokov
As 10 melhores obras do século 19
  1. Anna Karenina* by Leo Tolstoy
  2. Madame Bovary* by Gustave Flaubert
  3. War and Peace by Leo Tolstoy
  4. The Adventures of Huckleberry Finn by Mark Twain
  5. The stories of Anton Chekhov
  6. Middlemarch* by George Eliot
  7. Moby-Dick by Herman Melville
  8. Great Expectations* by Charles Dickens
  9. Crime and Punishment by Fyodor Dostoevsky
  10. Emma* by Jane Austen
Os 10 autores com mais livros selecionados
  1. William Shakespeare — 11
  2. William Faulkner — 6
  3. Henry James — 6
  4. Jane Austen — 5
  5. Charles Dickens — 5
  6. Fyodor Dostoevsky — 5
  7. Ernest Hemingway — 5
  8. Franz Kafka — 5
  9. (tie) James Joyce, Thomas Mann, Vladimir Nabokov, Mark Twain, Virginia Woolf — 4

O artigo completo pode ser lido aqui.

Fonte: brainpickings.org

Livraria Lello cobra entradas para condicionar entrada de turistas

Considerada uma das mais belas livrarias do mundo, a livraria Lello, do Porto, vai passar a cobrar entrada para limitar o número de turistas que cada vez mais  a visitam. Atualmente tem uma média de 4000 visistas diárias, o que naturalmente perturba a tranquilidade que uma livraria deve oferecer aos seus clientes, conforme afirma José Manuel Lello, responsável pela livraria. O custo da entrada passará a ser de 3 euros, que caso o visitante faça alguma aquisição serão descontados no valor do livro. A medida entrará em vigor dentro de quinze dias.

A notícia completa pode ser lida aqui.

Fonte: dn.pt
Fonte da fotografia: acidadenapontadosdedos.com

14 julho 2015

Google disponibiliza visita virtual a mais de 50 monumentos portugueses

"Em colaboração com a Direção-Geral do Património Cultural, a Google concebeu visitas virtuais a 57 locais portugueses. As imagens estão disponíveis na plataforma Google Maps.
São mosteiros, palácios, castelos, jardins e ruínas que podem ser visitados com recurso à tecnologia Street View. Basta acionar a opção para percorrer os vários espaços, seja no computador, smartphone ou tablet.
Juntamente, no Google Cultural Institute será incluída a coleção Maravilhas de Portugal, que permitirá visualizar espaços como o Palácio da Pena, Mosteiro da Batalha, Mosteiro dos Jerónimos ou a vila de Óbidos, entre muitos outros."

O artigo completo pode ser lido aqui.

Fonte: querosaber.sapo.pt

Estudo revela que um em cada dez alunos do secundário nunca leu um livro até ao fim


Segundo um estudo levado a cabo em 15 escolas secundárias, no âmbito do programa  "Ler+Jovem", cerca de 10% dos alunos do ensino secundário nunca leram um livro até ao fim. Segundo o mesmo estudo 14% das famílias dos alunos participantes no inquérito não têm livros em casa e um quarto dos alunos afirma que não gostava de ler em criança porque tinha dificuldade de compreender o que lia.  O professor, enquanto, motivador de leitura, aparece em último lugar entre as motivações dos alunos para lerem. A procura do conhecimento e de actualização são as principais motivações apontadas pelos alunos para ler, bem como a influência do grupo de amigos.
Os alunos do secundário lêem literatura sobretudo nos tempos livres e nas férias, de acordo com o mesmo estudo, sendo ainda o suporte em papel o mais procurado.

O artigo completo pode ser lido aqui.

Fonte: pagina1.sapo.pt

26 julho 2013

Volkswagen do Brasil inaugura biblioteca na unidade de São Carlos .

Achei interessante esta iniciativa da Voskswagen, no Brasil. Para quando algo semelhante em Portugal?


• Empresa disponibiliza acervo de 2.500 livros aos empregados dentro de suas unidades no Brasil

• Biblioteca conta com exemplares técnicos e industriais, literatura nacional e internacional, que incluem desde os clássicos até os mais recentes best-sellers

• Colaboradores da fábrica poderão consultar os livros na biblioteca ou levá-los para casa por empréstimo e sem custos.

A Volkswagen do Brasil inaugurou nesta terça-feira (23/7), na fábrica de São Carlos, a Biblioteca Volkswagen, especialmente concebida pela Fundação Volkswagen, em parceria com o Instituto Brasil Leitor, com objetivo de incentivar a leitura entre os colaboradores das fábricas, seus familiares e comunidade.
De acordo com o diretor de Assuntos Jurídicos da Volkswagen do Brasil e responsável pelo tema Sustentabilidade na empresa, Dr. Eduardo Barros, com a inauguração da Biblioteca Volkswagen em São Carlos a capacidade de atendimento aos leitores será incrementada em 2.400 pessoas, entre colaboradores e familiares. “A leitura é o maior bem que proporcionamos a nós mesmos. Com os livros não há tédio, eles garantem que nunca estaremos sozinhos”, disse.
O presidente do Instituto Brasil Leitor (IBL), Wiliam Nacked, também destacou a atuação da Volkswagen no incentivo à leitura. “A Volkswagen do Brasil é a empresa que mais investe em leitura no País, com uma biblioteca em cada um de suas fábricas e com mais de 20 mil empréstimos em quatro anos de atividades”, afirmou.
Em São Carlos, o acervo oferece 2.500 títulos entre livros técnicos e industriais, destinados a profissionais e jovens em formação profissional como estagiários e aprendizes do Senai, além de uma grande variedade de títulos da literatura nacional e internacional, que incluem desde os clássicos de Machado de Assis até os mais recentes best-sellers, como o "O Caçador de Pipas", e títulos infanto-juvenis, como "Harry Potter". Também estão disponíveis livros de negócios, de administração e idiomas.
“Com a inauguração em São Carlos, a Volkswagen do Brasil completa o processo de implantação de bibliotecas em suas quatro fábricas, reforçando o compromisso da companhia em realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação”, disse Conceição Mirandola, diretora da Fundação Volkswagen.

Bibliotecas Volkswagen
Além de São Carlos, as unidades da Volkswagen do Brasil em São Bernardo do Campo (SP), Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR) também contam com a Biblioteca Volkswagen.
O acervo das três bibliotecas juntas reúne cerca de 12 mil livros, que geraram mais de 20 mil empréstimos em quatro anos de atividades. A biblioteca da fábrica de São Bernardo do Campo foi inaugurada em 2009 e conta mais de 2 mil sócios cadastrados e já ultrapassa 6.000 exemplares no acervo.
Inaugurada em 2012, a da unidade de Taubaté possui 2.700 livros. Já a biblioteca da fábrica de São José dos Pinhais foi inaugurada em 27 de agosto de 2010, com acervo de aproximadamente 2.500 exemplares. Periodicamente, são realizadas campanhas e concursos culturais para premiar os leitores mais assíduos e também atrair novos sócios.

Fonte: Portal Nacional de Seguros

05 novembro 2012

Casa del Lector inaugurada em Madrid


Foi inaugurado no dia 17 de outubro em Madrid o mais recente projeto da Fundación Germán Sánchez Ruipérez, a Casa del Lector, Centro Internacional para a Investigação, Desenvolvimento e Inovação da Leitura. O antigo espaço do Matadouro da capital espanhola, um antigo local de morte, como refere César Antonio Molina, diretor da Casa, é agora transformado num espaço de vida, de descoberta, de questionamento.
Nos mais de 8.000 m2 da Casa del Lector funcionarão um auditório, diversas salas de exposição, salas de trabalho, bibliotecas, que acolherão um vasto programa de atividades em torno do papel da leitura e da sua promoção e mediação.

A página da Casa del Lector está aqui.

Fonte: Fundação José Saramago http://josesaramago.org/337443.htm 

Eis um bom exemplo do aproveitamento de um espaço que nada faria supor que viesse a ter uma função cultural. Nos outros países europeus aproveitam-se edifícios bem localizados para instalar bibliotecas e centros culturais, procedendo à reconversão e requalificação dos espaços, tornando-os modernos e arejados. Em Portugal os edifícios históricos são deitados a baixo e as bibliotecas continuam instaladas em espaços exíguos que já não são capazes de dar resposta às necessidades dos seus utilizadores.

23 dezembro 2011

Feliz Natal

Gostaria de desejar a todos os que visitam este blogue um Feliz Natal e um Ano de 2012 tão bom quanto possível, atendendo a todas as dificuldades que o nosso país atravessa. Sempre que possível aproveitem a companhia de um amigo que nunca vos deixa ficar mal: um bom livro. Mesmo nas alturas de menores recursos financeiros podem sempre ir à Biblioteca Municipal da vossa área de residência e requisitar uma obra para vos fazer companhia nos dias mais frios que se aproximam. Bom Ano e Boas Leituras.

19 dezembro 2011

Manifestantes egípcios incendeiam biblioteca com rara colecção de manuscritos

O Egipto perdeu este fim-de-semana documentos e mapas históricos com mais de 200 anos num incêndio causado quando se registaram confrontos no Cairo entre as forças de segurança e os manifestantes anti-Exército. Entre os manuscritos perdidos estava a cópia original da “Description de L'Egypte”, uma colecção feita por encomenda de Napoleão durante a sua expedição ao Egipto. Dos 200 000 200 mil livros, apenas ficaram intactos 30 mil.
Segundo a CNN, o incêndio no edifício histórico do Instituto Científico Egípcio, que alberga a biblioteca que continha mais de 200 mil livros e documentos, na sua maioria científicos, terá sido causado por um cocktail molotov atirado pelos manifestantes. O incêndio, que esteve descontrolado algumas horas, deflagrou nos andares mais baixos do edifício, tendo depressa alastrado aos superiores.
De toda a colecção do museu, apenas foram retirados intactos do fogo cerca de 30 mil livros. Tudo o resto, desapareceu com as chamas, anunciou Zein Abdel-Hadi, responsável pelas bibliotecas e os arquivos egípcios.
“Perderam-se mapas e manuscritos históricos insubstituíveis que foram preservados durante muitas gerações”, disse em comunicado, citado pela CNN, o primeiro-ministro egípcio, Kamal Ganzouri, destacando a perda da “Description de L'Egypte” (“Descrição do Egipto”). “O Egipto perdeu um tesouro nacional raro na história”, disse.
A “Description de L'Egypte” é uma obra composta por 24 volumes e que conta com o trabalho de 160 investigadores que acompanharam Napoleão Bonaparte na sua expedição ao Egipto entre 1798 e 1801. Nestes livros agora perdidos estava reunida, através de documentos, mapas e artigos, toda a descrição do Egipto, desde a identificação dos monumentos à descrição da fauna e flora do país, passando pelos hábitos, agricultura e comércio dos seus habitantes. Características que tornaram a colecção única no país e numa das mais importantes e valiosas do século XIX.
O Instituto Científico Egípcio é considerado o instituto científico mais antigo do Egipto. Fundado por Napoleão em 1798 durante a invasão francesa no Cairo, o instituto foi criado com a missão de desenvolver e apoiar a investigação de qualidade em diferentes ramos, da biologia à matemática, até à arqueologia.

Fonte: Público

21 outubro 2011

Festival BD da Amadora arranca hoje

A 22ª edição do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora arranca hoje, novamente no Fórum Luís de Camões, na Brandoa, prolongando-se até 6 de Novembro.
A iniciativa começará com fortes restrições orçamentais, mas o cenário de crise não afecta o essencial da programação, este ano dedicada ao humor.
Esta iniciativa é uma das mais relevantes na área da BD em Portugal, sendo promovida pela Câmara Municipal da Amadora.
Em ano de comemorar 22 edições, o Amadora BD que, este ano, se realiza entre os dias 21 de Outubro e 6 de Novembro, irá acolher muitos autores nacionais e estrangeiros que estarão ao fim-de-semana no Festival para participarem em sessões de autógrafos e debates.
O Amadora BD decorrerá até ao dia 6 de Novembro tendo, uma vez mais, o Forum Luís de Camões, na Brandoa, como palco principal. Outras exposições serão descentralizadas por outros espaços da Amadora: Centro Nacional de BD e Imagem (História com Humor), Galeria Municipal Artur Bual (Fernando Relvas), Casa Roque Gameiro (Yara Kono), Recreios da Amadora (AmadoraCartoon - Natalino Melchiades, José Bandeira, Luis Afonso, Effat e Elena Ospina), Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos (José Pires), Escola Superior de Teatro e Cinema (É de Noite que Faço as Perguntas) e Museu Municipal de Arqueologia (João Martins).
No núcleo central do Amadora BD os visitantes podem encontrar dezenas de exposições, sessões de autógrafos (sábados e domingos à tarde), actividades para os mais novos (sábados e domingos de manhã), debates, feira do livro de bd e muita animação.
A inauguração do 22º Amadora BD contará com um espectáculo musical de LINK, numa combinação de ritmos quentes com o Groove da música soul.

Mais informações aqui.

Fonte: Diário Digital e Câmara Municipal da Amadora

20 outubro 2011

"José & Pilar" exibido em Nova Iorque em semana de homenagem a Saramago

Eis uma boa notícia na semana em que foi publicado o romance inédito de Saramago Claraboia.
A notícia que nos deixa a todos orgulhosos é do Público:

O documentário José & Pilar, candidato a uma nomeação para os Óscares, será promovido na próxima semana em Nova Iorque, incluindo a exibição no Museu de Arte Moderna (MoMA), num evento dedicado ao Nobel português da Literatura.
A Semana de Saramago em Nova Iorque, de 26 de Outubro a 1 de Novembro, envolve o Arte Institute e a Fundação José Saramago e contará com a participação da companheira do escritor e presidente da Fundação, Pilar del Río.
No caso do documentário de Miguel Gonçalves Mendes, este dará a conhecer uma faceta mais privada e íntima do Nobel Português José Saramago.
Além de Pilar del Río, Miguel Gonçalves Mendes também estará em Nova Iorque para participar, logo no dia 27, numa sessão de perguntas e respostas na galeria de arte Rooster.
No mesmo dia terá lugar uma Mostra de Cinema Ibérico, no Anthology Films Archives, com a apresentação de curtas-metragens portuguesas e espanholas.
A galeria Sonnabend, dirigida pelo galerista de origem portuguesa António Homem, também se associa à iniciativa, com uma tertúlia dedicada a José Saramago, no dia 30.
No dia 31, terá lugar um concerto de Noiserv, projecto de David Santos (que compôs a banda sonora do filme) no restaurante português Pão.
Na Rutgers University, em Nova Jérsia, visitada por Saramago há 10 anos, o Departamento de Espanhol e Português irá mostrar excertos do documentário José & Pilar, segundo informação divulgada pelo Consulado de Portugal em Newark.
O ponto alto da semana de homenagem será a exibição do documentário no Museum of Modern Art (MoMA), seguido de um cocktail noutro restaurante português, Alfama.
O documentário José & Pilar acompanha a vida pública e privada de José Saramago durante o processo de escrita e lançamento do romance Viagem do elefante.
É um retrato próximo e inédito do escritor português, do relacionamento com a companheira e tradutora, Pilar Del Río, com os seus leitores e com o mundo.
Nos Estados Unidos, a Comissão de Homenagem a José Saramago integra o senador luso-americano Jack Martins, o galerista António Homem e a actriz Daniela Ruah, entre outras personalidades.
Criada em Abril deste ano, a organização sem fins lucrativos Arte Institute organizou no passado verão um Festival de Cinema Português em Nova Iorque (NY Portuguese Short Film Festival), com dezenas de curtas-metragens, a par de mostras de artes plásticas e música portuguesa (Summer Nights Series).

Fonte: Público

19 outubro 2011

João Ricardo Pedro vence Prémio LeYa 2011, no valor de 100.000 euros

Depois de no ano passado, o júri ter decidido não atribuir o prémio, invocando falta de qualidade dos textos apresentados a concurso, João Ricardo Pedro torna-se no terceiro escritor distinguido com o prémio, ao qual concorreram este ano 162 romances. O teu rosto será o último é o livro de estreia do autor, que não tinha até agora nenhuma obra editada, tendo sido escolhido por maioria. "É a minha primeira obra, a minha primeira tentativa de fazer qualquer coisa", diz ao PÚBLICO João Ricardo Pedro, revelando que estava confiante numa vitória. "Se não estivesse à espera, não tinha concorrido."
Para o júri, o livro "é uma composição delicada de histórias autónomas, que se traçam em fios secretos, o romance apoiado em imagens fortes, constrói um perturbador painel do presente português".
"É um livro arriscado e que facilmente toca as pessoas que o lêem e acho que o júri foi tocado", continua o escritor, que achava que podia ganhar, notando, no entanto, que não leu nenhuma das outras obras a concurso.
O júri foi constituído pelos escritores José Castello, Nuno Júdice e Pepetela; o professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, José Carlos Seabra Pereira; Lourenço do Rosário, reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo; e Rita Chaves, crítica literária e professora da Universidade de São Paulo.
O Prémio Leya foi criado em 2008 no sentido de distinguir um romance inédito escrito em português.
O prémio, de 100 mil euros – e que é o maior em valor pecuniário no domínio da literatura de expressão portuguesa –, foi criado em 2008 com o objectivo de distinguir um romance inédito escrito em português. Nas duas primeiras edições foi conquistado pelo brasileiro Murilo Carvalho, com a obra O Rastro do Jaguar (2008), e pelo moçambicano João Paulo Borges Coelho, com O Olho de Hertzog (2009).

Fonte: Público

06 outubro 2011

Tomas Tranströmer é o Prémio Nobel da Literatura 2011

Tomas Tranströmer escreve sobre a morte, a história, a memória e é conhecido pelas suas metáforas. É um poeta que tem uma produção pequena, "não é prolixo", disse no final do anúncio o secretário da Academia, o historiador Peter Englund, embora esteja traduzido em várias línguas. Em Portugal, Tranströmer tem poemas publicados em duas antologias, uma delas chama-se Vinte e um poetas suecos (Vega ,1987).
Tomas Tranströmer, 80 anos, psicólogo de formação, sofreu um AVC em 1990. Por isso perdeu as faculdades motoras e não consegue falar. O Prémio Nobel da Literatura 2011 vive numa ilha e depois de ter ficado doente publicou três obras.
Desde 1973 que Tomas Tranströmer, que é o poeta sueco mais traduzido no mundo e recebeu o Prémio Literário do Conselho Nórdico em 1990, era candidato ao Nobel. Há 40 anos que um autor sueco não recebia este prémio.
O poeta e tradutor Vasco Graça Moura disse à agência Lusa que a poesia do autor sueco “tem uma grande força lírica e preocupação social” e considerou-o "um Prémio Nobel muito merecido”. “Ele é muito importante e é o maior poeta sueco vivo”, afirmou. Sobre a obra de Tranströmer, o escritor português sublinhou “a grande força de utilização das imagens, com uma faceta um pouco surrealista”. Vasco Graça Moura traduziu vários poemas de Tranströmer entre eles um sobre Lisboa, Alfama, que se encontra na obra Vinte e um poetas suecos.
No ano passado a distinção foi atribuída ao escritor peruano Mario Vargas Llosa. O prémio tem um valor pecuniário de dez milhões de coroas suecas (cerca de 1 milhão de euros).


Fonte: Público

01 outubro 2011

Congresso do Livro apresenta estudo sobre o sector livreiro e o impacto da pirataria, em Outubro, na Praia da Vitória

O I Congresso do Livro acontece nos dias 28 e 29 de Outubro no auditório do Ramo Grande, na Praia da Vitória, na Ilha Terceira, e em debate estarão a digitalização, as alterações no circuito de comercialização, a legislação e o combate à pirataria no sector. O evento é organizado pela APEL- Associação Portuguesa de Editores e Livreiros.
Logo no primeiro dia, na sessão da tarde, será apresentado o estudo a cargo de uma equipa liderada por Pedro Dionísio do ISCTE - Instituto Superior de Ciências do Trabalho e Empresa, sobre o sector da edição e das livrarias e o impacto económico da pirataria, encomendado no âmbito das iniciativas desenvolvidas pela Comissão Contra a Cópia Ilegal, criada este ano na APEL.
Nas seis sessões do Congresso serão abordadas questões preocupantes para o sector como a digitalização e os ‘novos livros’, as alterações do circuito de comercialização, a legislação, o combate à pirataria e à cópia ilegal, os direitos de autor na era do digital, as políticas públicas para com o livro e a leitura.
Em debate estará também o papel da APEL, prevendo a organização definir orientações e recomendações.
O Congresso divide-se em cinco painéis. O primeiro, na manhã do dia 28 de Outubro, intitula-se “O novo paradigma editorial” e nele serão abordados temas como “O livro e a leitura hoje”, “Relações Autor/Editor/Livreiro/Leitor”, “Os novos editores, os novos distribuidores, os novos livreiros” e “O papel dos Media”.
O segundo painel, que ocupará toda a tarde do dia de abertura, é dividido em duas partes e intitula-se “Enquadramento legal”, estando em debate temas como a “Lei do Preço Fixo e o IVA nos livros”, “O Plano Nacional de Leitura”, a “Lei da Cópia Privada e Pirataria na era do digital”, além do estudo realizado pelo ISCTE.
Outros painéis são sobre as mudanças no mercado do livro e o papel da APEL, na manhã do dia 29, e à tarde debate-se “O livro e as novas tecnologias”.
O Congresso contará com a presença dos presidentes da Federação Europeia de Editores, Fergal Tobin, e da Associação Europeia de Livreiros, John McNamee, do director do Bureau International de l’Édition Française, Jean Guy Boin, e do secretário de Estado da Cultura que presidirá à sessão de encerramento.
A conferência de abertura, por Fergal Tobin e John McNamee, intitula-se “O Mundo do livro mudou”, dando o mote ao Congresso que será inaugurado pelo presidente do Governo Regional, Carlos César.

No site do Congresso pode encontrar mais informações sobre o programa e inscrições.

Fonte: Público

29 setembro 2011

Série de livros de “Os Cinco” volta a ser reeditada em Portugal

Quem não se lembra de passar tardes a fio a ler os livros com as fabulosas aventuras d'Os Cinco? Agora as gerações mais novas vão ter a oportunidade de usufruir de uma nova edição dos 21 volumes da série que estavam esgotados em Portugal há vários anos.


Fonte: SIC Notícias

22 setembro 2011

Kindle com acesso a livros de bibliotecas públicas

Depois de umas merecidas férias eis-me de volta ao blogue e com uma notícia fresquinha:

A Amazon passou a permitir a requisição e leitura de livros de bibliotecas públicas através do seu leitor de ebooks e aplicações para computadores e , smartphones.
A novidade vem trazer uma nova dimensão ao dispositivo, ao fornecer acesso gratuito às obras em formato digital de 11 mil bibliotecas norte-americanas de âmbito local. Só está, no entanto, disponível para utilizadores que possuam um cartão de leitor válido para a instituição cujas obras pretendem requisitar.
Para além da comodidade de aceder aos livros em formato digital no leitor portátil (e nas aplicações gratuitas que o substituem noutras plataformas), uma das principais vantagens reside na disponibilização de funcionalidades próprias do Kindle também nos livros requisitados nas bibliotecas.
A manutenção da numeração original das páginas, integração com Facebook e Twitter e a possibilidade de acrescentar notas, marcas e registar a última página lida do livro, que são sincronizadas com a conta do utilizador e podem ser retomadas caso volte a requisitar ou compre o mesmo ebook, são os exemplos avançados.
As bibliotecas que aderiram ao sistema passaram a contar com um botão no seu site que permite solicitar os livros para Kindle. Clicando em "Get for Kindle" e introduzindo as credenciais de autenticação para a sua conta Amazon, os utilizadores recebem a cópia digital para utilização por um período limitado, como se tivessem requisitado um livro na biblioteca.
 
Fonte: tek.sapo
 
Quando é que poderemos fazer o mesmo em Portugal?

22 junho 2011

Google atinge a marca dos mil milhões de utilizadores

O motor de busca Google e os vários serviços paralelos da empresa, como o Gmail e o YouTube, ultrapassaram em Maio pela primeira vez a fasquia dos mil milhões de utilizadores. Mas é no Facebook que os utilizadores passam mais tempo.
Em 2006, o Google tinha pouco mais de 500 milhões de utilizadores únicos por mês, com os produtos Microsoft a vencerem a corrida, com 537 milhões de utilizadores.
Mas com a compra do YouTube pelo gigante tecnológico, em finais de 2006, o universo de utilizadores de produtos Google expandiu-se e tem vindo a aumentar desde então.
Actualmente, a Microsoft permanence como o segundo “destino” mais popular para os utilizadores, tendo reunido 905 milhões de visitantes únicos em Maio, o que implica uma progressão a rondar os 15 por cento.
Quem tem crescido mais, porém, tem sido o Facebook, que registou um aumento na ordem dos 30 por cento e que teve em Maio 714 milhões de visitantes únicos.
Mais: os utilizadores passam mais tempo no Facebook que no Google. Os utilizadores da rede social passaram uma média de 250 mil milhões de minutos agarrados ao Facebook em Maio, comparativamente com os 200 mil milhões de minutos passados no Google.
É, pois, impressionante a importância que as tecnologias e, nomeadamente, as redes sociais têm vindo a ganhar na vida de milhões de pessoas um pouco por todo o mundo.

Fonte: Público

16 junho 2011

Romance inédito de Saramago lançado no fim do ano

Eis uma boa notícia para quem como eu gosta de ler obras de Saramago:
Clarabóia, o romance que José Saramago acabou de escrever em 1953 e deixou inédito até ao fim da vida, será publicado "no final deste ano, em Outubro ou Novembro", disse Zeferino Coelho, seu editor e amigo.

A poucos dias do primeiro aniversário da morte do prémio Nobel da Literatura português, a 18 de junho de 2010, o editor da Caminho levantou um pouco o véu sobre a história e as personagens de Clarabóia, que classificou como "um bom romance", onde se encontram já esboços do que viriam a ser as obras seguintes de Saramago.
"Vamos publicá-lo no final do ano. Em Outubro ou Novembro estará pronto. Eu já tenho comigo o original, estamos a trabalhá-lo - e está completo. Ou seja, é possível publicar o livro sem qualquer interferência, não lhe falta nada, não lhe falta nenhum bocado. Trata-se de um romance e é um romance interessantíssimo. Eu já o li - mais do que uma vez - e lê-se muitíssimo bem. Tem um grande número de personagens, mas aquilo tudo muito bem articulado, muito bem contado", disse à Lusa.
O romance "é muito rico, é muito diverso e lê-se muitíssimo bem. E nota-se que já tem ali algumas coisas que o José Saramago viria a desenvolver mais tarde... e tem até um personagem que, de alguma maneira, é o Saramago debatendo-se com os seus próprios problemas e, nomeadamente, com um problema que ele nunca resolveu, que é o optimismo e o pessimismo: se a humanidade é recuperável ou não -- isso está lá -- e que atitude deve cada um de nós tomar, sentirmo-nos responsáveis por aquilo que se passa à nossa volta e intervir ou acharmos que não temos nada a ver com isso e afastarmo-nos de qualquer intervenção na sociedade", resumiu.
"Eu acho que é um livro que vai suscitar muita curiosidade e vai ter muitos leitores. Porque se lê bem e é riquíssimo de significados", argumentou o editor.
Eu por mim fico à espera de mais este romance, e, entretanto, vou relendo os que afortunadamente já fazem parte da minha biblioteca e da minha vida.
Há uns anos atrás tive a felicidade de assitir a uma sessão pública de Saramago e fiquei rendida ao homem, como já antes ficara rendida ao escritor. Achei-o de uma inteligência, simplicidade e simpatia que muito contrastaram com a ideia que tinha dele: parecera-me até então um ser distante, arrogante e pouco acessível. Ainda hoje, passados estes anos, guardo na memória com especial ternura aquela hora e meia que tive o privilégio de partilhar com José Saramago e com todos os outros que como eu certamente ficaram a conhecer o lado mais humano do nosso Nobel da Literatura. Por tudo isto, aguardo com expectativa mais esta oportunidade de mergulhar em mais um livro de Saramago, ainda que seja só lá para o final do ano....

Fonte: DN

26 maio 2011

Disponibilização do tutorial do novo módulo de pesquisa Web – DIGITARQ

Encontra-se disponível online no site da DGARQ o tutorial de utilização do novo módulo de pesquisa Web – DIGITARQ.
Nesta página poderão também deixar a vossa proposta ou comentário. O propósito desta página é recolher nesta wiki a opinião e sugestões de todos os utilizadores de forma a melhorar os serviços oferecidos pela DGARQ.
Para comentarem é necessário registarem-se na wiki o que um processo rápido e inteiramente gratuito.


Fonte: DGARQ

22 maio 2011

Sumário CDU em linha

Eis mais uma ferramenta em linha com utilidade: um sumário multilingue da CDU, uma iniciativa do UDC Consortium. O sumário encontra-se disponível em 34 línguas, incluindo o português.

21 maio 2011

VIAF: uma importante ferramenta para a gestão de registos de autoridade

O VIAF - Virtual Internet Authorithy File é um site disponibilizado pela OCLC, que oferece um serviço em linha de consulta de registos de autoridade para nomes de pessoas e de colectividades e que conta já com a participação de 18 instituições de 15 países, incluindo a Biblioteca Nacional de Portugal. Um bom instrumento para quem esteja a implementar ficheiros de autoridade nas suas bibliotecas.

09 maio 2011

Fbooks? Que mais vão inventar a seguir?

"Já imaginou poder acompanhar, interagir e ser 'amigo' ou 'amiga' das personagens de um livro? Em tempo-real? Acedendo às músicas que compõem o pano de fundo de uma obra literária, consultando mapas dos locais misteriosos por onde se aventuram os protagonistas? Agora, já é possível, naquilo que será mais uma evolução no mundo literário, com a clara influência da rede social Facebook.
Chama-se Fbook e sugere uma nova forma de 'gostar' de ler. Numa iniciativa empresarial da Leya (não há almoços grátis...) e interessante, foi criado este projecto literário que disponibiliza livros numa versão exclusiva para as redes sociais. A ideia passa também por conquistar novos leitores e acompanhar os antigos, 'apanhado-os' via Facebook.
Na prática, o Fbook adapta livros em papel e coloca-os no Facebook em versões exclusivas. A obra escolhida para inaugurar o projecto é 'O Bom Inverno', de João Tordo.
Uma ideia interessante, um conceito arrojado, também em prol da Cultura, que vai além da Literatura. Veremos como responde o público e que retorno terá em termos de consumo cultural. A acompanhar bem de perto."


Acho que as tecnologias são uma mais valia para o nosso quotidiano, mas também não vamos exagerar... Já estive na página do Bom Inverno no Facebook e não me parece que os fbooks tenham grande futuro. Por muitas vantagens que o Facebook tenha não me parece que a aplicação do seu formato à literatura seja muito apelativa. A César o que é de César! Pelo menos para mim não serve. Cada panela com sua tampa, já diz a sabedoria popular.

05 maio 2011

Portugueses e Astérix: uma relação com 50 anos

Parabéns ao Astérix: apareceu pela primeira vez em Portugal há 50 anos, no dia 4 de Maio. Os parabens vêm por isso com um dia de atraso, mas mais vale tarde que nunca ;-).
Portugal foi o primeiro país não francófono a publicar as aventuras de Astérix e do seu companheiro Obélix, empenhados na tarefa de defender a sua aldeia gaulesa das tropas romanas de Júlio César.
Os dois companheiros contavam com a ajuda de uma poção mágica na luta contra as tropas romanas e outras personagens como o druída Panoramix, o bardo Cacofonix ou o pequeno cão Ideiafix, preenchiam o imaginário de crianças e adultos.
Os autores, René Goscinny e Albert Uderzo, publicaram a primeira história a 29 de Outubro de 1959, na revista francesa Pilote, e dois anos depois, a 4 de Maio de 1961, era publicada em português.
Passados 52 anos, Astérix continua a ter sucesso, com mais de 300 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, disponíveis em mais de uma centena de línguas e dialectos, incluindo o mirandês. Astérix conta ainda com algumas adaptações para o cinema.

Fonte: jornaldigital

03 maio 2011

Eis uma iniciativa no mínimo audaciosa

Português promove a escrita do romance com mais autores do mundo: 1000!

Aqui fica a notícia do Público:
"O projecto já começou e promete pôr o país a escrever. “É um hino à escrita e à literatura”, diz ao PÚBLICO Pedro Chagas Freitas, explicando que pretende com isto incentivar as pessoas a escreverem.
“É muito rara a pessoa que não tem o desejo de escrever, só que muitas vezes acabam por se inibir ou até pensar que é algo impossível e difícil. Aqui, essas pessoas têm a oportunidade de escreverem uma página da história e fazerem parte de um projecto completamente inovador”, acrescenta o escritor, para quem a ideia surgiu na sequência do Campeonato Nacional de Escrita Criativa e do Livro em Directo, iniciativas também promovidas por si.
O objectivo é sempre o mesmo: “Conseguir fazer com que as pessoas se interessem, mais e mais, pela produção escrita.”
Neste projecto, Pedro Chagas Freitas, que conta já com 15 obras publicadas, escreverá a primeira página e depois cada pessoa ficará encarregue de escrever uma página. Para isso, terão apenas que se inscrever no site
www.escritacriativa.org e escolher a página que querem escrever.
“Já temos dezenas de inscrições e o projecto ainda está no início, o que é um bom sinal. Eu já escrevi o início da história e agora falta alguém que escolha a página dois”, diz Pedro Chagas Freitas, esclarecendo que todos os inscritos até agora não escolheram, “curiosamente”, a segunda página do livro.
Para o lançamento da obra ainda não existe uma data prevista. “Isto é um projecto monstruoso. Estamos a falar de mil pessoas, ou seja, mil páginas. Ainda vai demorar”, atesta o escritor. Mas garante: “No fim o livro terá uma festa de lançamento à altura.”
“A ideia é juntar os autores todos, mais os seus convidados, familiares e amigos, num evento único. Normalmente um lançamento de um livro junta cerca de 200 a 300 pessoas, aqui o objectivo é juntar milhares”, conclui. "
            
Inscrevam-se! Nunca se sabe o que daqui poderá sair...

02 maio 2011

01 maio 2011

Eis uma novidade: E-books também marcam presença na Feira do Livro de Lisboa

 No Parque Eduardo VII, tanto no pavilhão do grupo Babel como na Praça LeYa vai ser possível consultar e folhear livros electrónicos.
As coisas parecem estar a mudar. Pela primeira vez na história da Feira do Livro de Lisboa o livro digital vai conviver lado a lado com o livro impresso. Nada que não se passe já em outras feiras por esse mundo fora, embora a maior parte delas tenha características diferentes da Feira do Livro de Lisboa, pois, além de serem abertas ao público (durante alguns dias), estão vocacionadas para profissionais, para o negócio de compra e venda de direitos. "É inevitável que as feiras do livro passem a ser cada vez mais tecnológicas. É uma parte importante do mercado editorial que está a sofrer uma mudança e isso tem que se reflectir também no espaço onde o livro está presente, neste caso na Feira do Livro de Lisboa, o espaço principal de contacto do mundo da edição portuguesa com o seu público final", explica Nuno Seabra Lopes, consultor editorial da Booktailors.

Tal como já acontece nas feiras internacionais, em Portugal a importância do digital vai ter que começar a ser evidente. "Apesar de a nossa feira ter características diferentes, acredito que dentro de um ano, dois, poderá haver vendedores de ereaders e que também nos seja possibilitada a compra de ebooks", acrescenta Seabra Lopes.
Fonte: Público

28 abril 2011

Notícia de última hora: A Feira do Livro de Lisboa abre hoje as suas portas!

É hoje que a Feira do Livro de Lisboa volta a animar a cidade. A corrida já começou!
Tal como anteriormente foi notícia neste blogue, o evento decorrerá até 15 de Maio. Serão dezoito dias de debates, apresentações, lançamentos e sessões de autógrafos, num novo horário: de Segunda à Sexta-feira a abertura será às 12h30, ao Sábado e ao Domingo, às 11h00. O encerramento será às 23h00, de Domingo a Quinta-feira, e às 24h00 à Sexta-feira e Sábado. Para mais informações poderá consultar o blogue da 81ªFeira do Livro de Lisboa. Nele encontrará informação sobre eventos, livros do dia, hora h e imagens da feira. Boas compras e boas leituras.